A máxima que aponta o permanente estado de hostilidade entre cães e gatos poderia ser levada em conta nos tempos da sua avó, como diz uma publicidade de absorventes. Nos dias de hoje, a amizade entre as duas espécies é uma realidade em inúmeros lares. Se em alguns casos não fazem o tipo inseparáveis, ao menos se respeitam e convivem harmoniosamente.

Há situações em que se tornam, inclusive, parceiros e mesmo cúmplices nas traquinagens, como furtar comida, destruir móveis e outros objetos, além da bagunça própria de pets! Uma farra só!

É claro que essa vinculação amigável nem sempre ocorre de forma espontânea, às vezes requer uma ajudinha humana, afinal, a introdução de um novo pet no lar pede cuidados adicionais, como evitar que o bichinho que chegou primeiro sinta-se preterido, como acontece no caso do nascimento de bebê humano na família.

Mas esse é um quadro que não chega a preocupar, basta paciência, disciplina, boa vontade e amor.

O golden ritriver Akira sempre reinou absoluto na casa da capoeirista Marcia Duarte, até ela se encantar por uma filhotinha de gata que fora abandonada. “A introdução foi tranquila. Apesar do tamanho, Akira é muito dócil, nunca esboçou reação de agressividade. Logo Mia virou dona da situação, abusava de Akira, mas ele sempre foi muito paciente”, conta Marcia. Aí chegaram os bichanos Chuvisco e Nina, que pariu em casa três outros filhotinhos. Logo Akira se viu convivendo com seis gatos peraltas. “Mas a harmonia predomina, e não descuidamos dele. A rotina de passeios e atenção,é mantida”, afirma Márcia.

A cadela Akira aprendeu a conviver bem com gatos

O cão Akira aprendeu a conviver bem com gatos

Como se pode ver no exemplo, sejam dois filhotes do mesmo tipo, um gatinho e um cãozinho, um novo gatinho em um ambiente com cães adultos, um filhote de cachorro com gatinhos já crescidos, a introdução e a convivência é possível.

Veja como:

Se você ainda não tem pets e optou por ter ambas as espécies, isso irá facilitar muito as coisas.Eles vão crescer juntos e é quase certo que se vejam como irmãos, brincando e se divertindo em dupla. É aconselhável estar presente nas primeiras interações, mas a ideia é que eles construam uma relação sem muita interferência.

Se você já tem um cão e decidiu ter um gatinho, aí as coisas mudam um pouco e irão requerer um pouco mais de cuidado.

O primeiro passo é se certificar da índole do seu cachorro: se territorialista, agressivo etc. Em caso positivo, talvez seja mais prudente reconsiderar, ou contratar um bom adestrador, para garantir que seu cão tenha limites, educação e respeito, e que você seja capaz de controlá-lo quando necessário.

Se você tem um cão dócil, a introdução do novo pet fica mais fácil, mas é sempre bom garantir que ele seja obediente e saiba respeitar os limites. Para isso, algumas sessões de adestramento podem ser úteis. Não esqueça que o seu cachorrinho deverá receber a mesma atenção anterior à chegada do amiguinho.

Associe o gatinho a coisas boas para o seu cachorro, quando apresentá-los pela primeira vez, leve petiscos, brinquedinhos e muito carinho. Dessa forma, ele não verá o novo pet como uma ameaça. Também evite repreender seu cão, incentive os comportamentos positivos, isso fará com que a aceitação inicial seja mais fácil. Depois, eles vão construindo uma relação por si só, e é bem capaz do cachorro se tornar um mentor do gato, enxergando-o como seu filhote e garantindo seu bem-estar.

É recomendável que o início da relação seja supervisionada, afinal, o gatinho pode extrapolar algum limite e isso pode gerar uma reação no cachorro, mas isso não é regra.

Vale destacar que as fêmeas são mais receptivas a um gatinho novo, pode aflorar o sentimento materno, o que não quer dizer que um cão macho não será um grande companheiro do seu novo pet felino.

A partir daí é só alegria, brincadeiras e descontração, afinal os dois são maravilhosos, cada um com as suas peculiaridades.